A pergunta que não quer calar: como transar?

Tempo de leitura: 6 minutos

Então você quer saber como transar? Eu vou te dizer. Vou ter que te dizer por que você não sabe. Eu estava olhando quais os itens mais cotados para escrever um artigo aqui para o site do Namastê. E um dos títulos mais buscados do google é esse: Como transar. Gente, não parece absurdo que em pleno século XXI, com todo o avanço tecnológico que conseguimos alcançar, toda “evolução”, estamos buscando por uma questão tão básica, tão primária? Como transar?

As pessoas querem saber como transar! Isso é elementar. Todos os seres da natureza transam. Desde os insetos até nós, homo sapiens, transamos, certo? Nascemos de uma relação sexual. Mas e aí? Se eu nasci de um ato sexual, deve ser uma coisa boa? Bonita? Natural, capaz de gerar outro ser humano. Meu pai e minha mãe fizeram sexo, ao menos uma vez na vida! Não, ao menos duas, pois eu tenho um irmão. Peraí, mas aí onde fica a história da cegonha?

Se eu nasci de uma relação sexual, por que o sexo foi sumariamente reprimido da minha vida? Desde a minha infância, quando não escutava nenhum ruído de sexo na minha casa, não presenciava nenhum contato amoroso entre os meus pais, onde fui estimulada a não andar com garotos. Passando pela minha adolescência, onde minha sexualidade foi brutalmente reprimida, onde eu, mesmo tendo decidido que seria exatamente o oposto da minha mãe e que eu jamais seria mulher de um homem só, jamais casaria virgem de véu e grinalda e flor de laranjeira, como ela, e decidi e transei com vários homens para depois descobrir que eu era profundamente reprimida e que eu não sabia como transar.

Por que o sexo não é incorporado na nossa vida?

Desde crianças, nós temos impulsos sexuais. Deixando claro que é a paixão da menina pelo pai, do menino pela mãe. É aquele garoto que a gente gosta, é a curiosidade pelos órgãos genitais. Nada de absurdo, certo? Mas todas essas coisas são roubadas, usurpadas de nós. E desde crianças vamos crescendo com uma certeza nessa vida, que sexo é proibido, é feio. Tava conversando com a minha amiga e veio a lembrança de uma cena de adolescência. Eu estava no clube tomando banho de piscina com meu amigo e estávamos fazendo uma brincadeira, eu subia na garupa dele e ele me jogava e eu caia de costas na água. Estávamos nos divertindo. Meu pai veio dar uma incerta e quando ele viu essa cena me deu uma bronca e me levou embora. Eu fiquei verde de vergonha. E claro que ele estava me reprimindo, isso foi uma forma de repressão sexual, apesar da brincadeira nem ter esse enfoque, bom talvez até tivesse. Mas enfim. Assim como esse, diversos outros exemplos posso dar para também ter chegado ao ponto de pedir: Como transar?

E como transar?

Mas eu ia te dizer como transar, certo? Tem até um link aqui que tem uns exercícios que podem te ajudar. Fala como transar bem. Aliás outro dos títulos mais cotados no google, ‘como transar bem’? Você pode acessar, tem boas dicas exercícios e meditações que tu podes fazer:

Mas, fundamentalmente, tu vais ter que olhar pra tua história e sacar o que é que te levou a ser tão reprimido ao ponto de ter que fazer uma busca na internet sobre como transar! Nós deveríamos saber disso assim como sabemos como andar pra frente, como respirar.

O sexo deveria estar incorporado à nossa vida. Quando fui olhar pra minha história me dei conta de que nunca durante a minha infância nem sequer escutava, nunca escutei ruídos de sexo na minha casa, era como se não existisse. Nesse momento, fui perguntar pra minha mãe, até por que eu tinha a sensação de que depois que eu e meu irmão saímos de casa me parecia que ela e meu pai estavam transando mais. Ela me respondeu que eles sempre transavam mas que ela fazia tudo muito escondido e sem barulho para que a gente não escutasse. Meu deus! Tudo o que eu queria era ter ouvido alguma coisa. Até por que me faria muito feliz saber que meu pai e minha mãe se amavam e que não era só aquela bronca, só aquele inferno, só aquelas brigas intermináveis. Teria sido bom pra mim ter escutado alguma coisa. Teria sido bom pra mim ver meus pais como seres sexuais realizados e não frustrados sempre com aquela tromba. Teria sido bom para mim que o sexo fizesse parte da vida dos meus pais, que eu crescesse sentindo que isso era uma coisa boa, que faz parte da vida, e não uma coisa obscura que tem que ser feita em silêncio, à portas fechadas. Teria sido bom pra ti, se tivesse sido assim na tua casa. Mas aí tu tens que olhar pra tua história.

Conheço histórias de pessoas que os pais viviam transando numa loucura sexual que também ia para o outro lado e acabou trazendo distorções sexuais para a vida da pessoa. Pois a forma como teus pais lidavam com a sexualidade foi gerando tensões no teu corpo. Toda a repressão sexual que tu sofreste está impressa no teu corpo. Chamamos de couraças emocionais. Aquela dor na lombar, sabe? Ou outras dores no corpo, bruxismo, ranger de dentes, tensão guardada na boca, tensão no pescoço que é controle. Muitas dessas tensões estão vinculadas à sexualidade. Mesmo que teus pais “não tenham te reprimido”, talvez eles tinham a banca de liberais. Vai ver mais fundo que não é bem assim! Pois teus pais também sofreram com isso, foram reprimidos pelos pais deles e ai quiseram fazer tudo ao contrário. São os dois lados da mesma moeda.

Pra saber como transar tu tens que ir fundo na tua história e ir desmanchando essas tensões que estão guardadas no teu corpo, na tua pélvis. A partir disso, tu vais começar a conectar com uma coisa mais genuína, mais espontânea do teu ser, da tua sexualidade. Pra isso primeiro tu tens que jogar todo esse lixo pra fora.

Quer se conhecer melhor sexualmente? Dá uma olhada nesse curso, que mexe muito com sexualidade. Entra ali e responde as questões. É confidencial e tu vai saber muita verdade a teu respeito, a respeito da tua sexualidade. Talvez o teu primeiro passo para saber por ti mesmo como transar!

por Bodhi Manindra

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *